Carlos Pita/Myriam Fraga – A Lenda do Pássaro que Roubou o Fogo (1983)

Tema frequente em culturas variadas é o do desafio à ordem divina, a apropriação do fogo pelos mortais. Nos mitos gregos, Prometeu rouba o fogo dos deuses. O tema é tb visto em diversas etnias de povos originários brasileiros, de forma muito semelhante em outros povos Jê, como os Kaiapó, Apinaiés, os Krahô. P/os Suruí, Paiterei, tb a onça, Mekô, era o dono do fogo. O Criador, Palop, Nosso Pai, pede ao passarinho preto; Orobab, de cauda comprida, que roube o fogo p/a humanidade, que passa frio e não tem como cozinhar. Depois de fugir da onça e já perto dos homens, Orobab senta-se na árvore de urucum, em uma outra árvore cujo nome em português não está identificado, e por último no pau-brasil. Os Paiterei costumavam fazer fogo friccionando galhos de quaisquer dessas três árvores.

“A lenda do pássaro…”, um produto híbrido, independente, unindo poesia, música e artes plásticas, onde os poemas de Myriam Fraga (consultora de Cultura, vice-presidente de Academia de Letras Da Bahia e diretora da Fund. Casa de Jorge Amado – durante 30 anos), teve produção, concepção e dir. musical do músico, cantor e compositor baiano; Carlos Pita, e trazia um livreto de 50 pags c/ilustrações do artista plástico Calasans Neto. Conta ainda c/arranjos do maestro Lindenberg Cardoso, Oficina de Investigação Musical e Grupo Anticália, numa paisagem sonora concebida através de instrumentação de origem indígena e afro-brasileira. O LP reuniu dezenas de músicos e contou c/os Madrigais de vozes femininas e masculinas da UFBA.

Carlos Pita produziu albuns p/Walter Smetak, Elomar e Sexteto do Beco, citando alguns e teve músicas gravadas por Elba, Alcione, A Cor do Som, Marinês…

Destaco: “Chamada do Guerreiro” e sua letra entoando o lúdico indígena, os vocais de Andréa Daltro em “Cantiga”, os arranjos lindos de “Viagem ao Palácio do Sol” e “Dança da Solidão” com sua organicidade de palmas, percussão e vocal.

O LP traz o universo do Brasil Profundo e tb do Feminino , sendo também adaptado p/o Teatro na déc. de 90 pela Cia. A Roda.
Foram editadas 2 mil cópias dessa obra independente.

Publicado em @revistasdecultura

Fonte: DJ Marcello MBgroove