Gonzaguinha – Luiz Gonzaga Jr (1973)

O primeiro álbum de Gonzaguinha chegou tarde. Desde 1961, aos 14 anos, fazia composições, como “Lembranças de Primavera”. No final da década de 60, o cantor e compositor gravara seis compactos, 5 simples e 1 duplo, pelos selos GETAI e Forma e sendo o último deles lançado pela Odeon, pra qual se transferiu em 1972. Desde o começo, Luiz Gonzaga Jr. era presença constante em Festivais de Música Brasileira e Universitários, além do programa “Som Livre Exportação”, de 1971, apresentado por seu amigo Ivan Lins (também colega do Movimento Artístico Universitário) e a cantora Elis Regina.

O compacto que antecedeu o LP continha “Comportamento Geral”, uma crítica feroz sobre a submissão do povo brasileiro ao regime militar, vista como hipocrisia na visão do artista. Fora lançado em novembro de 1972. No início de 1973, a música foi apresentada no programa de Flávio Cavalcanti, que causou um rebuliço nos jurados. Um deles o chamou de terrorista e outro quis que Gonzaguinha fosse deportado do País. Assim, o compacto que encalhava nas lojas vendeu cerca de 20 mil exemplares em uma semana e em seguida o DOPS vetou a exibição da música, mas não a sua venda. Isso foi a porta de entrada para o “cantor rancor” – apelido ao qual fez bastante jus – gravar o seu primeiro álbum.

Agora, quanto ao álbum, batizado pelo pomposo título de “Luiz Gonzaga Jr.” veio a ser lançado em setembro de 1973. O disco é um conjunto de petardos onde quase não há esperanças de felicidade nas dez músicas da obra. Aliás, no início da produção, Gonzaguinha encaminhou cerca de 72 composições ao DOPS, das quais 54 foram censuradas. Além do repertório do primeiro LP, outras músicas complementaram o repertório do segundo álbum, também de nome “Luiz Gonzaga Jr.” e o terceiro, “Plano de Vôo” (EMI-Odeon, 1975). De fato, a mensagem das músicas de Gonzaguinhas no início são ácidas, diretas e de uma amargura agonizante. Isso se deve não só a visão aguçada do compositor a respeito da situação sócio-política do País mas também a conturbada relação que tinha com seu Pai, o Rei do Baião Luiz Gonzaga que, até hoje não se sabe ao certo se era seu pai de verdade ou não.

No repertório do disco, “Comportamento Geral” foi inserida. Além desta, outras canções se destacam pelo viés dramático, como “Minha Doidivana”, um bolero bem carregado a respeito de uma paixão platônica mal resolvida e sem expectativas e ser correspondida. A linha romântica segue em “Românticos do Caribe”, no qual um casal levado pela rotina sente a necessidade de “ouvir um bom bolero a meia-luz”. Há também “Palavras”, uma das mais conhecidas desse LP, “Página 13”, um relato chocado sobre o homicídio de um vizinho acima de qualquer suspeita contra sua esposa e seus filhos, em seguida se suicidando.  E vale ressaltar a gravação de Gonzaguinha para “A Felicidade Bate a sua Porta”, a única faixa que é mais alegre, mas sem deixar de lado o protesto a favor da liberdade e da melhora das condições sociais ao Brasil. 4 anos depois, a mesma música seria grande sucesso na voz das Frenéticas, da qual tinha em sua formação a cantora e atriz Sandra Pêra, com quem teria uma filha, a atriz e cantora Amora Pêra. Outro destaque é a faixa “Moleque”, que se tornara o apelido oficial de Gonzaguinha, com o qual se identificava. Esta é a segunda gravação do autor, que fora registrada em compacto simples pelo selo Forma (da Philips) e defendida pelo mesmo no Festival de Música Popular Brasileira da TV Record, exibido em 1969.

Os arranjos de “Luiz Gonzaga Jr” ficaram a cargo do lendário João Theodoro Meirelles, que tratou de manter o clima áspero das composições de Gonzaguinha mas sem deixar de lado a beleza e refinamento que uma orquestração exige. E  o maestro e saxofonista deu uma roupagem brilhante aos acordes simples de Gonzaguinha.

Gonzaguinha nunca foi fácil de lidar, verdade seja dita, mas poucos souberam tão bem criar letras tão ricas e conteúdo, que falavam da dor de viver, da esperança que precisa ser mantida apesar das circunstâncias, do direito de protestar contra os desagrados e falar de amor sem medo de refletir e assumir seus erros. Esse foi Luiz Gonzaga do Nascimento Junior, que infelizmente faleceu em um acidente automobilístico, no dia 29 de abril de 1991, na cidade de renascença, Paraná.

Faixas:

01 Sempre Em Teu Coração

02 Minha Amada Doidivana

03 Página 13

04 Romântico Do Caribe

05 Sim, Quero Ver

06 A Felicidade Bate À Sua Porta

07 Palavras

08 Moleque

09 Comportamento Geral

10 Insônia

Todas as músicas são composições de Luiz Gonzaga Junior.

Produção: Milton Miranda

Direção Musical: Lindolfo Gaya

Arranjos: J. T. Meirelles

Ano de lançamento: 1973, relançado em CD em 1997 e 2006

Obs: O lado “A”  do compacto que tinha “Comportamento Geral” era a faixa “Um Sorriso Nos Lábios”, que não oi incluída no LP “Luiz Gonzaga Jr.”.

Fonte: O GLOBO DA MÚSICA