Ivan Lins – Modo Livre (1974)

Ivan Lins resolveu mudar os rumos de sua carreira a partir de 1973, quando deixou a Phonogram (gravadora onde estava desde 1970) e partiu para a RCA. O quarto disco de sua carreira – e o primeiro pela nova companhia – foi propositalmente intitulado de Modo Livre, lançado em 1974. O título do álbum era o mesmo de sua banda de apoio, que gravou o álbum junto com músicos convidados.

Produzido por Raymundo Bittencourt, o disco marca a transição de Ivan Lins, rumo a um novo conceito diante de sua obra musical. Além disso, o álbum é responsável por trazer a faixa Abre Alas, que inaugura uma série de sucessos inesquecíveis compostos por Ivan em parceria com o letrista Vitor Martins, compositor tão genial quanto o músico. O parceiro inicial de Ivan, o letrista Ronaldo Monteiro de Souza ainda é presença constante, assinando juntos as faixas Deixa Eu Dizer (Gravada pela cantora Claudya em 1973), Tens (Calmaria)Não Tem Perdão (gravada anteriormente por Leny Andrade em 1973), EsperoEssa Maré e DesejoPaulo César Pinheiro também aparece na ficha técnica do LP, assinando com Ivan a parceria em Rei do Carnaval (Samba-Bossa Nova debochado que abre o disco). A parceria de Ivan e Paulo seria prolífica, mas curta. Ivan Lins assina sozinho a composição Chega, que soa como um extravasamento de sua própria agonia.

É também a primeira vez que Ivan registra em um disco seu músicas de outros autores. Caetano Veloso é revisitado em Avarandado, que Lins registra em um clima jazzy a la psicodélico. O sambista Monsueto, que havia falecido no ano anterior ao lançamento de “Modo Livre” também é lembrado no Pot-Pourri General da Banda / A Fonte Secou / Recordar É Viver (Recordar), que encerra o disco.

Quanto á banda Modo Livre, a ficha técnica traz músicos do quilate de Wagner Tiso (piano e órgão), Robertinho Silva (bateria e percussão), Lucinha Lins (atriz, cantora e na época esposa de Ivan), João Cortez (bateria) e os conjuntos MPB-4 e Quarteto em Cy no backing vocal. Os arranjos ficaram a cargo do genial (e injustamente pouco compreendido na época) Arthur Verocai. Também vale destacar que o solo de gaita em “Abre Alas” ficou a cargo do mestre Maurício Einhorn.

Quem se dedicar a ouvir o disco com toda atenção e carinho, não vai deixar de notar e absorver toda a pluralidade das letras. Elas falam tanto de política como dos dilemas pessoais de Ivan Lins, que passava por um momento de reflexão acerca dos acontecimentos externos e de seu próprio papel na sociedade, aliado a isso seu processo de autoconhecimento. São coisas que, na maioria das vezes soam muito simples de dizer, mas longe de ser verdades vazias.

Abre Alas, por exemplo, não fala só da Ditadura, da agonia de se viver nesse sistema. Ela fala também da insegurança que todo ser humano traz e alimenta dentro si, desde o seu nascimento e transmite no seu comportamento externo. Não Tem Perdão (uma das minhas prediletas) não é uma simples resposta á uma ameaça alheia diante de diferenças de pensamento. É também uma resposta ao AI-5, lei que proibia a expressão livre da opinião pública e que punia ferozmente os opositores ao regime militar que se arriscavam ao confrontá-lo, com torturas bizarras que chegavam (as vezes) em morte.

Poucos reconhecem isso, mas Ivan Lins, assim como seus parceiros letristas, é um dos maiores pensadores que expressa a sua opinião em música no Brasil. Seja falando sobre Política ou sobre a essência do Ser Humano, Ivan é um grande filósofo. A audição atenta de “Modo Livre” no faz perceber como é a vida em si, com toda a sua beleza e tristeza.

  • Ficha Técnica:

Álbum: Modo Livre
Artista: Ivan Lins
Produção: Raymundo Bittencourt
Catálogo: 103.0092
Gravadora: RCA Victor
Gênero: Samba
Estilo: Bossa Nova
Ano: 1974

  • Faixas:

01 Rei do Carnaval (Ivan Lins; Paulo César Pinheiro)
02 Deixa Eu Dizer (Ivan Lins; Ronaldo Monteiro de Souza)
03 Avarandado (Caetano Veloso)
04 Tens (Calmaria) (Ivan Lins; Ronaldo Monteiro de Souza)
05 Não Tem Perdão (Ivan Lins; Ronaldo Monteiro de Souza)
06 Abre Alas (Ivan Lins; Vitor Martins)
07 Chega (Ivan Lins)
08 Espero (Ivan Lins; Ronaldo Monteiro de Souza)
09 Essa Maré (Ivan Lins; Ronaldo Monteiro de Souza)
10 Desejo (Ivan Lins; Ronaldo Monteiro de Souza)
11 Pot-Pourri: General Da Banda (Satiro de Melo; Tancredo da Silva Pinto; José Alcides) / A Fonte Secou (Monsueto Menezes, Raul Moreno; Marcléo) / Recordar é Viver (Recordar) (Aluísio Martins; Aldacir Louro; Adolfo Macedo)

  • Curiosidades:
  1. Modo Livre atingiu a marca de 10 mil cópias vendidas em LP, desde o seu lançamento.
  2. O álbum foi reeditado em CD, pela primeira vez em 2001, na série RCA – 100 Anos de Música, pela então denominada BMG. A reedição ficou a cargo do produtor, pesquisador e jornalista Arnaldo DeSouteiro.
  3. Também houve reedição em CD do mesmo pelo Japão, no mesmo ano que fora relançado no Brasil

Fonte: O GLOBO DA MÚSICA