Nana Caymmi – Nana (1977)

Nana Caymmi é um caso a parte no circuito de cantoras-intérpretes na música brasileira. Ouvir um disco seu é sinônimo de excelente qualidade sofisticada junto ao romantismo acalorado e dramático ao gosto do brasileiro, independente de credo, raça ou status. E o álbum a ser comentado dessa vez é seu disco de 1977, primeiro e único editado pela RCA, futura BMG e atual Sony Music.

Como não poderia deixar de ser, o repertório dessa jóia tem o alto clero de compositores da música moderna de então como Milton Nascimento, junto de seu Clube da Esquina representado pelas pessoas de Ronaldo Bastos e Toninho Horta nas faixas Cais e Dona Olimpia; Ivan Lins e sua bossa-nova carregada de drama e entusiasta da evolução feminina em Não Há Lugar (parceria com os escudeiros Vitor Martins Gilson Peranzetta); A angústia feminina de Sueli Costa expressa em Fingidor; a bossa nova de Tom e Vinicius em Modinha; o irmão Danilo Caymmi e todo o seu eruditismo em Meu Menino (parceria com Ana Terra) e o anfitrião Dorival Caymmi, seu sagrado pai e amigo com sua Milagre.

Mas o grande destaque do disco, dentre tantas pérolas, é Se Queres Saber (Autoria de Peterpan), samba-canção primeiramente gravado por Emilinha Borba em 1946. Vale lembrar que Nana a regravaria cinco anos depois para a abertura da minissérie Quem Ama Não Mata, exibida pela TV Globo em 1982. Outros compositores classudos completam o time de compositores como Fernando Leporace em O Que se Sabe de Cor e Noel Rosa (já falecido na época) com seu samba Falam de Mim (parceria com Anibal Silva e Eden Silva), dentre outros.

Os arranjos ultra-refinados ficaram sob a responsabilidade do irmão Dori Caymmi, que mantém o conservadorismo das orquestrações mas sem jamais serem criadas de forma tradicional e banal. Os arranjos de Dori são surreais, como um retrato de Picasso. A produção também ficou a cargo de Dori.

Fonte: O GLOBO DA MÚSICA